06/
Sep
Donos de cães levam seus pets com mais frequência ao Veterinário do que donos de gatos

Motivo apontado pelos tutores são idas para consulta de rotina e vacinação; Doenças relacionadas ao sobrepeso e obesidade são as que menos motivam o tutor a procurar o Veterinário

No próximo dia 09 de Setembro é comemorado o Dia do Veterinário em todo o território nacional. Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), ao longo de 46 anos de profissão regulamentada, os Médicos-Veterinários vêm mostrando a importância de seu trabalho para o desenvolvimento econômico e social do Brasil, por meio dos serviços prestados à sociedade no cuidado com a saúde e bem-estar dos animais, preservação da saúde pública, produção de alimentos saudáveis e em atividades voltadas para garantir a sustentabilidade ambiental do planeta, atuando em mais de 80 especialidades. Entre as atividades mais conhecidas estão a clínica e consultório de pequenos animais, como gatos e cães.

 

Uma pesquisa inédita no Brasil, feita pelo IBOPE Inteligência em parceria com o Centro de Pesquisa WALTHAM® – a principal autoridade científica em bem-estar e nutrição de pets - revelou que os tutores de cães levam seus pets com mais frequência ao Médico-Veterinário do que tutores de gatos: a média é de 2,8 vezes por ano contra 2,3 por ano. Os principais motivos são consulta de rotina e vacinação (79% dos tutores de cães e 76% dos tutores de gatos) e pelo aparecimento de alguma doença (26% para cachorros e 19% para felinos).

 

O estudo mostra ainda que pouco mais da metade dos proprietários de cães (51%) busca orientação do Médico-Veterinário para entender qual a alimentação mais adequada para o seu pet, número que se mantém quase igual para os proprietários de gatos (52%). Segundo o IBGE, dos 65 milhões de domicílios do país, 44,3% possuem pelo menos um cachorro e 17,7% pelo menos um gato.

 

“O papel do Médico-Veterinário é muito amplo e fundamental na vida dos animais, especialmente por toda assistência clínica e cirúrgica dada aos pets de companhia. Com mais de 52 milhões de cães e 22 milhões de gatos no Brasil, entender a relação entre os tutores e seus pets é imprescindível para buscarmos alternativas de melhoria de qualidade vida para os animais de estimação e compartilhar conhecimento com toda a sociedade”, afirma a Dra. Carolina Padovani, Médica-Veterinária e Membro da Equipe de Coordenação da Pesquisa no Brasil.

 

Outro fato interessante revelado pela pesquisa é que apenas 5% dos tutores de cães e 4% dos tutores de gatos levam seus pets a uma consulta veterinária por problemas de sobrepeso ou obesidade. “Esse número é preocupante porque sabemos que a doença afeta metade da população de animais domésticos no mundo”, completa Dra. Carolina.

 

Uma das maiores referências globais em obesidade de pets, Dr. Alex German, que comanda a Weight Management Clinic, na Universidade de Liverpool (UK), esteve no Brasil no mês de Junho a convite da ROYAL CANIN®, marca referência em Nutrição Saúde para gatos e cães da Mars. Ele ministrou um ciclo de palestras em São Paulo e no Rio de Janeiro, onde dividiu com mais de 750 Médicos-Veterinários orientações sobre como potencializar os resultados de um programa de perda de peso em animais de companhia. Entre as principais dicas, direcionadas também aos tutores, estão:

 

· Reduzir o consumo de alimento do pet é a chave;
· Comer menos e fazer mais exercício;
· Usar sempre uma balança de precisão para medir a quantidade de alimento oferecida;
· Monitorar o pet de perto, com idas de 6 em 6 meses ao consultório veterinário.

 

Sobre a pesquisa

O estudo foi encomendado pela Mars Brasil, líder no mercado de alimentação para cães e gatos com marcas como PEDIGREE®, ROYAL CANIN®, WHISKAS® E EUKANUBA™, com o objetivo de entender o padrão de comportamento do brasileiro na interação com seus pets, além de entender as principais barreiras para aqueles que, atualmente, não possuem animais de estimação.

A pesquisa foi dividida em duas etapas, sendo que a qualitativa foi feita com 13 grupos de discussão em São Paulo, Recife e Porto Alegre. As entrevistas foram realizadas com homens e mulheres a partir de 25 anos, divididos em três grupos: donos de cães, donos de gatos e não possuidores – com intenção de ter um pet nos meses de janeiro e fevereiro de 2015.

 

A etapa quantitativa tem uma base de 900 entrevistados, sendo 300 donos de cães, 300 donos de gatos e 300 não possuidores – com intenção de ter. As entrevistas foram realizadas com homens e mulheres a partir de 25 anos em São Paulo, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Porto Alegre, Salvador e Distrito Federal entre os dias 25 de junho a 17 de julho de 2015. A margem de erro da pesquisa é de 6 pontos percentuais por segmento e de 3 pontos percentuais no total da amostra.

 

Fonte: SEGS