19/
Feb
Hospital sem vaga faz grávida com pneumonia dormir em maca, diz mãe

A auxiliar de enfermagem Agda de Jesus Silva conta que, desde quinta-feira (9), sua filha, grávida de sete meses e com pneumonia, espera por uma vaga de internação no Hospital Santa Lydia, em Ribeirão Preto (SP). Devido à falta de leitos, segundo ela, os pacientes têm passado as noites em macas improvisadas dentro de um consultório médico. A situação é denunciada em um vídeo obtido pelo Jornal da EPTV gravado por telefone celular por um dos pacientes.

"Necessita de um lugar que tenha obstetra. Meu medo é de que ela perca o neném ou mesmo a vida dela, porque quem está com pneumonia tem que começar de imediato a medicação. Hoje é o terceiro dia que estamos esperando, é descaso total com a gente", afirma Agda.

Procurada, a direção do Santa Lydia confirmou que, devido à lotação nos leitos, oito pacientes estão na espera, mas garantiu que nenhum deles ficou sem atendimento.

 

Sem leitos
Agda afirma que sua filha grávida com pneumonia foi encaminhada por uma ambulância para o hospital na última quinta-feira (9) por volta das 15h em busca de uma vaga para internação, o que não tinha sido obtido até a tarde do sábado (11) devido à lotação da unidade.

Durante a espera, a auxiliar de enfermagem relata que a paciente começou a ser medicada apenas na sexta-feira (10) e que, durante o dia, permanece em uma poltrona à espera de um leito adequado. À noite, pacientes como ela, segundo a mãe, são acomodados em macas dentro de um consultório médico.

Ela reclama que sua filha precisa de um obstetra e de medicações adequadas com urgência. "Quando a gente chegou, o médico falou que aqui não é lugar de internação pra ela, diz que colocaram para triagem em outros hospitais pra conseguir vaga, e vaga até hoje não veio", diz.

A biomédica Cláudia Cristina Pedigone denuncia que a mesma situação é enfrentada por sua mãe, de 67 anos. Segundo ela, a paciente foi encaminhada com trombose para o Santa Lydia na sexta-feira (10) depois de recorrer ao pronto-socorro central.

"A gente aguardou atendimento até as 17h. Passou pela médica e continuou esperando durante todo esse tempo em uma cadeira. À noite, o leito não apareceu e ela foi transferida para uma maca no consultório onde ela passou a noite. E às 5h da manhã de hoje [sábado] retiraram todos os pacientes que também estavam aguardando leito e passaram novamente para as cadeiras, para as poltronas, onde ela está até agora", relata.

Enquanto esperam, os pacientes também não têm condições adequadas para tomar banho. Segundo ela, os únicos banheiros disponíveis são compartilhados com os pacientes de emergência.

"É um reflexo deprimente da saúde a que o brasileiro que trabalha tem que se submeter. Isso realmente é revoltante, porque a minha mãe está aí com trombose sentada em uma cadeira."

  •  
Hospital Santa Lydia em Ribeirão Preto, SP (Foto: Reprodução/EPTV)Hospital Santa Lydia em Ribeirão Preto, SP (Foto: Reprodução/EPTV)

Hospital Santa Lydia
Procurada pelo Jornal da EPTV, a interventora do Santa Lydia, Darlene Mestriner disse que o hospital está lotado e que há oito pacientes à espera de leitos de internação,

Porém, confirmou que estes tem sido atendidos e medicados em uma sala de observação e que nenhum deles está sem atendimento.

A interventora comunicou ainda que, caso seja necessário, fará um pedido de contrarregulação para outro hospital.

  •  
A auxiliar de enfermagem Agda de Jesus Silva denuncia falta de leito em hospital de Ribeirão Preto (Foto: Reprodução/EPTV)

A auxiliar de enfermagem Agda de Jesus Silva denuncia falta de leito em hospital de Ribeirão Preto (Foto: Reprodução/EPTV)

 

Fonte: G1SP