01/
Mar
6 Especialidades Médicas com grande potencial no futuro

80% das atividade dos médicos serão extintas ou automátizadas. Muitas outras atividades médicas serão criadas. Confira as especialidades que mais se beneficiarão com a Revolução da Informação.

 

É fato que a medicina e a forma como todos enxergam a atenção à saúde já mudou e ainda vai mudar muito por causa da revolução da informação. A produção de soluções para este mercado está de vento em poupa e alguns médicos já se atentaram a isso. É o caso dos médicos Bertalan MéskoAtul Gawande e Eric Topol, que são as principais mentes que lideram a medicina futurista internacionalmente. A seguir trazemos a visão de Bertalan Mésko sobre as especialidades médicas que mudarão muito com o advento da expansão da Tecnologia da Informação para a medicina.

 

O Artigo original chamado 6 Medical Specialties with the Biggest Potencial in the Future pode ser encontrado AQUI.  Os livros de Bertalan Mésko e Eric Topol sobre o Futuro da medicina podem ser encontrados na Amazon.

 

Inteligência artificial, sensores vestíveis, realidade virtual, robôs médicos… Essas tecnologias disruptivas estão transformando completamente a maneira que médicos e pacientes atuam frente ao cuidado de saúde. Parece inevitável que médicos-robôs, automação e a inteligência artificial irão substituir muitas dos processos em saúde. Mas como em muitas áreas da inovação, algumas especialidades sofrerão um grande avanço com o advento das novas tecnologias.

 

Robôs cirúrgicos estão cada vez mais precisos, máquinas do tamanho de homens podem levantar e transportar pacientes pelo hospital enquanto o robô Xenex leva apenas 10 minutos para desinfetar a sala de um paciente contaminado com luz ultra violeta.

 

 

O investidor do Vale do Silício Vinod Khosla uma vez disse que a tecnologia irá substituir 80% dos médicos no futuro. As máquinas serão mais acuradas, objetivas e baratas do que os médicos. Ele é ainda mais apocalíptico quando afirma que um dia o mundo não precisará mais de médicos.

 

O Médico Futurista Bertalan Mésko não concorda. Ao contrário, a tecnologia em algumas especialidades irá permitir que médicos foquem naquilo que os faz “bons médicos”: tratar pacientes e inovar enquanto a automação faz a parte repetitiva do trabalho. Mésko, em sua página Medical Futurist, trouxe então sua visão sobre as 6 especialidades que irão claramente se beneficiar com a revolução tecnológica.

 

Medicina Generalista / Medicina de Família

 

Muitos médicos escolhem as especialidades hoje pensando na chance de impactar positivamente a vida de outros. E é claro que os médicos generalistas carregam um grau elevado de confiança de seus pacientes. Mas vê-los apenas quando estão doentes transforma a tarefa de prevenção de doenças e de garantia da qualidade de vida uma tarefa muito difícil. É ainda mais difícil fazer isso quando os consultórios estão superlotados e você tem apenas 15 minutos para diagnosticar, propor uma terapia e aconselhar o seu paciente.

 

Sensores vestíveis (wearable devices) que podem transferir os dados dos pacientes para o smartphone dos médicos, notificando quando os dados vitais dos pacientes não estão de acordo. Esses dados coletados quando o paciente não está no consultório podem permitir um melhor cuidado do paciente.

 

Isso irá assegurar que os médicos apenas atuem frente aos pacientes que necessitem, sendo possível oferecer uma recomendação para qualidade de vida de forma remota (aqui no Brasil ainda há uma grande resistência em discutir este assunto). Em contrapartida, isso pode aumentar o tempo de disponibilidade que o médico generalista pode aplicar a cada paciente. Mais ainda, a tecnologia pode permitir que o generalista seja um verdadeiro cuidador da saúde do paciente pois contará com algoritmos e com sistemas de telemedicina que podem ajudá-lo a diagnosticar precocemente doenças raras, por exemplo.

 

Obstetrícia e Ginecologia

Os obstetras têm uma janela de tempo muito limitada para colher os dados sobre os bebês ou de suas mães. Os Wearables Devices que monitoram os dados vitais das mães e dos bebês irão assegurar que, em caso de emergência, os cuidados perinatais não dependam apenas da sorte.

 

Do ponto de vista ético é uma área muito controversa. Ja falamos sbre isso na quando abordamos em um post a atividade a empresa 23 and me e sobre a nova tecnologia de edição de genes, o CRISPR CAS. Essas tecnologias podem dar a possibilidade de desenvolvimento de doenças genéticas e inclusive editar genes do bebê para corrigir algumas condições mesmo em intra-útero

 

Radiologia

O IBM Medical Sieve demonstra que computadores cognitivos que utilizam inteligência artificial semântica podem escanear milhares de imagens radiológicas em segundos, trabalhando para achar padrões de malignidade e substituir o trabalho que os imageologistas performam diariamente.

 

Isso, ao contrário do que muitos podem achar, não irá substituir essa importante especialidade médica ( e de dentistas). Ao contrário, radiologistas irão supervisionar como os algoritmos estão se comportando ou terão tempo para aplicar em pesquisa e inovação que podem fazer a tecnologia por detrás dos gadgets ainda melhores. O futuro destes profissionais podem ser muito mais excitante do que olhar milhares de raios-x por dia.

 

Oftalmologia 

Essa especialidade viverá antes as histórias de ficção científica e os maravilhosos computadores que antes apenas poderiam existir no campo da imaginação. Implantes retinianos poderão devolver a visão a quem a perdeu ou ainda o poder de aumento das imagens. As lentes de contato digitais poderão transformar o como enxergamos o mundo e ainda ajudar no cuidado com o diabetes. A Google vem trabalhando em lentes de contato digitais com vários sensores que poderão medir a glicemia dos pacientes, em tempo real, sem agulhas.

 

De acordo com os planos, uma antena sem fio, menor que um fio de cabelo, irá atuar como um comunicador com um aparelho sem fio – seu telefone, por exemplo. Os dados serão coletados e quantificados, e trarão uma solução muito melhor que os atuais glicosímetros.

 

Medicina esportiva e reabilitação

Essa foi a primeira revolução dos smartfones. Foram inúmeros aplicativos que focavam nas pessoas que se exercitavam regularmente e gostariam de saber como estava a sua performance. Agora, uma nova geração de dispositivos que foram especialmente desenhados para atletas profissionais, como o GymWatch e o Wahoo.

Detalhando os padrões de movimento e forçando a melhoria de cada movimento, a medicina esportiva terá dados concretos para medir como os atletas estão evoluindo. Com o tempo, essas tecnologias atingirão a todos. Algoritmos sofisticados estarão prontos para analisar dados desses dispositivos e personalizar sugestões que melhorarão a performance e a velocidade de recuperação. Consoles de vídeo game como o Kinect do Xbox oferecem uma forma de monitorar como os pacientes estão se saindo. Os dados podem ser vistos imediatamente na tela.

 

Oncologia

Essa especialidade irá ditar os caminhos para a medicina personalizada. No momento, oncologistas customizam as terapias de acordo com o background genético e nas bases moleculares dos tumores. Sequenciamento genético mais baratos e o estudo sobre biomarcadores estão turbinando esse processo. Companhias como a Grail, que trabalha com as biópsias filtrando as células tumorais de amostras sanguíneas, poderão diagnosticar precocemente os tumores sua análise sem a necessidade de um procedimento cirúrgico.

 

Mais ainda. A inteligência artificial cognitiva, encabeçada pelo projeto Watson da IBM, ajudará os oncologistas a entender e, quem sabe, curar o câncer. Esses computadores cognitivos podem obter todas as informações relevantes presentes em milhões de estudos científicos publicados em relatos de casos e sugerir o melhor plano de tratamento que poderão funcionar.

 

Neste meio tempo, os pacientes já estão mais informados sobre suas doenças graças a mídia social e as comunidades de epatients que conversam entre sí. Esses sinais apontam para um futuro brilhante para a oncologia.

 

A medicina não será mais a mesma

Muitos trabalhos serão extintos devido as novas tecnologias, entretanto inúmeras oportunidades serão criadas. Na medicina isso deve ocorrer com médicos participando para obter novas habilidades e novas visões sobre as doenças.

Aqui no Brasil, muitos de nós médicos estamos envolvidos com esse avanço. No dia 22/06/16 foi dados os passos iniciais para a criação da Associação Brasileira de Startups de Saúde, cujos membros pude conhecer nessa trajetória do Academia Médica. Parabéns ao Fernando Cembraneli da Berrini Ventures, ao Ricardo Moraes da Memed, Diógenes Silva da Anestech, Fábio Tiepolo da Docway e Felipe Lourenço da iClinic.

 

Se você é médico ou acadêmico de medicina, fica o convite para que você se interesse pela tecnologia em saúde e seja também um protagonista na inovação que irá mudar para sempre a forma como fazemos medicina. E conte sempre com o Academia Médica neste caminho.

 

Fonte: Academia Médica