ACERTO PECUNIÁRIO NAS SINDICÂNCIAS NO CRM.

ACERTO PECUNIÁRIO NAS SINDICÂNCIAS NO CRM.

Embora seja possível a conciliação entre a parte denunciante e o médico denunciado no âmbito de uma sindicância no CRM, a mesma jamais será PERMITIDA caso baseada em proposta ou acerto financeiro. É o que dispõe o art. 18, § 2º, do CPEP.

Ou seja, seja qual for o motivo que resultou na sindicância (questionamentos relacionados à qualidade da assistência, violação às normas de publicidade, infrações por irregularidades na emissão de documentos médicos, tendo como exemplos), o CRM jamais poderá validar uma composição justificada em acordos financeiros, ainda que os fatos apurados sejam simples e de pequena gravidade.

Então, vale a conciliação SEM vantagens pecuniárias envolvidas?

Sim, desde que os acontecimentos não envolvam lesão corporal de natureza grave, assédio sexual ou óbito do paciente. (Art. 18, Caput, do CPEP).

Observações importantes:

A Conciliação dependerá de proposta do conselheiro sindicante ou de outro membro da Câmara, com aprovação da câmara de sindicância.

Uma vez proposta e aceita a conciliação pelas partes, após sua homologação pela câmara de sindicância, não caberá qualquer recurso.

No caso de a conciliação não obter sucesso (as partes não chegaram a um acordo) a sindicância prosseguirá normalmente, podendo resultar em um processo ético-profissional.

A conciliação não se confunde com o TAC (termo de ajustamento de conduta), apesar de ambos resultarem no arquivamento da sindicância (depois faremos sobre o TAC ).

Médico, esteja sempre respaldado por seu advogado. Cuide do seu patrimônio jurídico.

Deixe uma resposta